» » MP de Contas participa do 1º Laboratório de Boas Práticas de Controle Externo

MP de Contas participa do 1º Laboratório de Boas Práticas de Controle Externo

postado em: Notícias | 0

04 09 Lab (28)Com o objetivo de compartilhar experiências, resultados e boas práticas de gestão dos Tribunais de Contas do Brasil, o Ministério Público de Contas de Mato Grosso participou do 1º Laboratório de Boas Práticas de Controle Externo. O encontro foi realizado no teatro Zulmira Canavarros, na segunda-feira (03.09), e terça-feira (04.09) as oficinas e discussões ocorreram no Tribunal de Contas de Mato Grosso.

Os Procuradores do MP de Contas de Mato Grosso presidiram mesas em quatro oficinas temáticas com os temas “Contratações, parceiras público-privadas (PPP) e tecnologia da informação”; Contas de governo, receita e renúncia de receita”; “Educação e segurança” e “Saúde e meio ambiente”.

Para o Procurador-geral de Conta04 09 Lab (26)s do MPC-MT Getúlio Velasco Moreira Filho, o evento foi um marco na história das instituições de fiscalização dos recursos públicos. “É muito importante sabermos como é a atuação dos Tribunais e dos MPCs em outros estados, para que possamos trazer essas boas práticas para Mato Grosso e exportar nossas experiências exitosas para eles. Esse compartilhamento de informações, que obtivemos nesse evento, contribui para o trabalho de proatividade e para o fortalecimento da nossa atuação no Controle Externo”, disse o Procurador-geral.

O evento é uma iniciativa da Associação dos Tribunais de Contas do Brasil – Atricon e do Tribunal de Contas de Mato Grosso. Contou com a participação de membros, auditores, técnicos e auxiliares de instituições de diversos estados do país.

No primeiro dia foram apresentados dois painéis sobre Controle Externo. Já no segundo dia, foram realizadas oficinas temáticas, onde, representantes dos Tribunais de Contas e outras organizações não governamentais apresentaram ações, inovações e processos relacionados à fiscalização dos recursos públicos.

As boas práticas compartilhadas, inclusive, poderão ser implementadas a partir de termos de cooperação entre as instituições que poderão, posteriormente, adquirir sistemas, processos e procedimentos.